20 setembro, 2007













Hoje pela manhã caminhando na praia encontrei uma amiga dos tempos de colégio. Há muitos anos não nos víamos, há muito não tinha noticias dela, mas seu rostinho miúdo, seus cabelos louros e aquele sorriso de criança continuam o mesmo. Ela foi logo me abraçando, um abraço cheio de emoção e saudade. Foram poucos minutos de conversa, um reencontro gostoso, que trouxe de volta os anos de nossa infância, as brincadeiras na escola, os namorados antigos, os bailes, as festas, tempos antigos que se fizeram presente num piscar de olhos. Nos despedimos com a certeza de que outro encontro seria improvável, cada uma seguiu seu caminho. Com isso, fiquei pensando que os nossos dias são feitos de chegadas, de regressos e partidas. Talvez a vida se pareça com uma antiga plataforma de trem onde as pessoas ainda usavam chapéus e capas para viajar. Tem sempre aqueles que chegam, descem para a plataforma, cheios de expectativas, ansiosos pelas novidades. Outros estão de partida, levando na mala abandonos, decepções e desamor. Alguns estão regressando, novas perspectivas ou tentando retomar as antigas, um novo recomeço, ou quem sabe uma continuação do que ficou inacabado esperando solução. Ainda tem também aqueles que esperam, parados ali, com o olhar no horizonte, ansiosos ou distantes, cansados ou impacientes.
Mas em todos os casos, em todos esses momentos, todos estão atrás da felicidade, do preenchimento dos espaços vazios, pois ela é a única coisa capaz de superar tudo e fazer a vida ter um gostinho bem mais doce.

Regina Fernandes

Um comentário:

Daniel disse...

Oi Regina.
Que texto bom esse seu em. Gostei bastante da analogia.
Se você for dar uma passadinha no meu blog, não se assuste com as mudanças, é que eu sou assim mesmo, me enjôo fácil das coisas.
Abraço