30 setembro, 2009













Certa noite uma mulher não voltou para casa...
No dia seguinte, ela disse ao marido que tinha dormido na casa de uma amiga.
Desconfiado, o homem telefonou para as 10 melhores amigas da mulher, e...
Nenhuma sabia de nada...
Moral da História:
Ô RAÇA DESUNIDA...


29 setembro, 2009

A água: fonte da vida!


A água é um dos principais elementos para a vida no nosso planeta ( daí a frase “água fonte de vida”), senão o principal, ela é essencial para a nossa saúde, tendo diversas funções como transportar pelo nosso organismo os nutrientes e os detritos celulares resultantes dos processos metabólicos; transportar também outras substâncias, tais como hormônios, enzimas e células sanguíneas; é um excelente solvente e meio de suspensão, muitas substâncias dissolvem-se ou chegam mesmo a estar suspensas, permitindo que existam reações químicas para formar novos compostos. Estas propriedades facilitam também a eliminação das toxinas acumuladas no nosso organismo através da urina. Outro benefício da água tem a ver com o seu efeito lubrificante nas nossas articulações. A desidratação nas cartilagens provoca movimentos abrasivos quando existe um qualquer movimento ósseo resultante de uma deficiente hidratação das extremidades ósseas. Ela é um dos reguladores de temperatura do nosso organismo e também é essencial para todos os processos fisiológicos de digestão, absorção assimilação e de excreção.

Sabemos então que a água é o constituinte mais importante do corpo humano: representa entre 45 a 75% do peso corporal. Esta variação depende:
- do sexo: relativamente à mulher o homem tem mais 15% de água corporal total, a qual constitui 60% do peso; a diferença entre os sexos é devida ao maior teor de gordura habitualmente presente nas mulheres.
- da idade: as crianças têm, em relação ao volume corporal, maior percentagem de água corporal total que os adultos. Ao nascer, representa cerca de 75% do peso do corpo, diminuindo com a idade.
- da constituição física: esta variação resulta da quantidade de gordura, a qual contém relativamente menos água do que o tecido muscular, contribuindo para o peso sem um aumento proporcional no volume total de água. Assim, as pessoas obesas tendem a ter menor percentagem do peso corporal constituído por água.

Uma redução de somente 2% de água no corpo pode causar perda momentânea de memória, dificuldade em fazer contas matemáticas básicas e problemas de focar a visão sobre uma tela de computador ou sobre uma página impressa?

Beber um mínimo de 8 copos de água por dia diminui o risco de câncer de cólon em 45%, além de baixar o risco de câncer de mama em 79% e reduzir à metade a probabilidade de se desenvolver câncer na bexiga.

E, se estamos estressados, devemos aumentar a quantidade para 16 copos de água por dia.

O nosso cérebro é constituído por 85% de água e é por este motivo que existem muitas dores de cabeça que deixariam de existir com um pouco mais de água, principalmente nas mulheres. Não existindo água suficiente para o seu funcionamento o cérebro recorre ao intestino para repor a quantidade em falta, fantástica a forma de funcionamento do nosso organismo.

Você não pode imaginar o que 8 a 10 copos de água por dia podem fazer para eliminar muitas indisposições.

Ao falar de beber água, não nos referimos à água contida no café, nos chás ou nos refrigerantes. A água engarrafada ou de fontes naturais é a melhor.

E você já bebeu água hoje?

27 setembro, 2009

Fotografia e Memória
























Colégio São Vicente de Paulo
Icaraí - Niterói - 1960

26 setembro, 2009

Soneto do Corifeu




















São demais os perigos desta vida pra quem tem paixão
Principalmente quando uma lua chega de repente
E se deixa no céu, como esquecida
E se ao luar que atua desvairado
Vem se unir uma musica qualquer
Aí então é preciso ter cuidado
Porque deve andar perto uma mulher
Deve andar perto uma mulher que é feita
De música, luar e sentimento
E que a vida não quer de tão perfeita
Uma mulher que é como a própria lua:
Tão linda que só espalha sofrimento
Tão cheia de pudor que vive nua

(Vinicius de Morais)

24 setembro, 2009





















Um dia ele chegou tão diferente do seu jeito de sempre chegar
Olhou-a dum jeito muito mais quente do que sempre costumava olhar
E não maldisse a vida tanto quanto era seu jeito de sempre falar
E nem deixou-a só num canto, pra seu grande espanto convidou-a pra rodar
Então ela se fez bonita como há muito tempo não queria ousar
Com seu vestido decotado cheirando a guardado de tanto esperar
Depois os dois deram-se os braços como há muito tempo não se usava dar
E cheios de ternura e graça foram para a praça e começaram a se abraçar
E ali dançaram tanta dança que a vizinhança toda despertou
E foi tanta felicidade que toda a cidade enfim se iluminou
E foram tantos beijos loucos
Tantos gritos roucos como não se ouvia mais
Que o mundo compreendeu
E o dia amanheceu
Em paz

(Vinicius de Morais e Chico Buarque)

23 setembro, 2009





















Hoje recebi um telefonema de uma grande amiga do tempo da faculdade querendo marcar um encontro com a nossa turminha para matar as saudades, rir das bobeiras, relembrar histórias. E nossa conversa foi de risos o tempo todo. Ela me contando que havia sofrido um acidente, tinha se quebrado toda, hospital, gesso, médicos, consultas, exames e com tudo isso conseguimos achar graça. Imagine então como será esse encontro!
Mas por causa dessa ligação fiquei me lembrando da época em que tudo era motivo de risos, tempos de criança onde as coisas que eram tão comuns hoje fazem parte de uma vida tão distante. Época de andar descalça, brincar na rua, rir às bandeiras despregadas pelas coisas mais simples como tropeçar na rua, ou rir dos erros dos outros. No colégio então nem se fala, tudo era motivo para uma boa gargalhada. E em casa? Era só derramar o leite na mesa ou o molho do macarrão na roupa e pronto, meu pai, de cara amarrada e nós achando a maior graça.
Hoje falta tempo, falta assunto para dar risada. É uma pena. Deveríamos rir mais, aproveitar mais as coisas do dia a dia e achar graça, viver com mais alegria.

E você, quando foi a ultima vez que riu de uma bobeira ou de si mesmo?

(Regina Fernandes)

22 setembro, 2009

Vem chegando a Primavera!

















A palavra "Primavera" vem do latim: primo vere, começo do verão.

Este ano de 2009, a partir das 18h18m a Primavera chega trazendo em sua bagagem, flores e cores, os dias tornam-se mais quentes e o sol mais dourado, brilhando com mais intensidade.
Aproveitem!


Lá vem ela
resplandescente e bela
trazendo aromas
florescendo nos canteiros
Lá vem ela
embelezando a terra
colorindo a esperança
pelas ruas, pelos cantos
Lá vem ela
novos dias, novas cores
muitas flores
Primavera...

(Regina Fernandes)


20 setembro, 2009

Palavras do coração
















Sempre quis ser mãe de um menino. Eu era ainda solteira quando o assunto se voltava para casamento e filhos e lá ia eu dizendo: vou ser mãe de um menino.
Meu filho nasceu de uma cesariana, no dia 13 de abril de 1977, às 07:05h, pesando 3,420kg e 51cm. Foram 9 meses de planos e expectativas, pois naquela época a ultra-sonografia não era comumente usada, mas eu tinha certeza absoluta: menino.
Depois de nove meses na minha barriga e dois dias na maternidade fomos, em carreata (eu e meu marido, os avós e o bisavô maternos e a tia) levá-lo para casa. Uma festa! Era o primeiro filho, primeiro neto, e primeiro sobrinho. A tia que assistiu o parto também foi madrinha de batismo.
Em casa eu contava com a ajuda de minha mãe que deu o primeiro banho e os seguintes até o umbigo cair, sempre assistida pela platéia dos pais e avós.
E assim, como o tempo não para, com alguns contratempos de marinheiro de primeira viagem, os anos foram rapidamente se escoando, passando a época do jardim de infância, do primeiro e segundo graus e da universidade.
Hoje vejo meu menino com 32 anos, um homem feito, inteligente, amoroso, amigo, maduro, responsável, excelente profissional na carreira que escolheu (Fisioterapia) e fico pensando comigo mesma em como fui abençoada por ter tido esse filho tão querido.
Todos os dias agradeço a Deus esse presente e peço que Ele o abençoe e proteja sempre.

Regina Fernandes

19 setembro, 2009




















Hoje terminei de ler "Amor é Prosa, Sexo é Poesia" que reúne 36 crônicas, muito bem escolhidas, todas ótimas e que falam sobre sexo e amor, família, mulheres.

Gosto de Arnaldo Jabor. É um cara polêmico que traz na sua escrita, textos ácidos e líricos, com assuntos sempre atuais e sintonizados com as questões que interessam à vida dos brasileiros.

“A percepção de Jabor sobre linhas intangíveis, como a que separa o amor do sexo, costuma ser tão afiada quanto seus discursos anti-Bush. Mais do que o poder, ele aposta, o amor é uma ilusão sem a qual não podemos viver."
(Livraria Saraiva)



17 setembro, 2009






















Quando pensei que estava tudo cumprido,
havia outra surpresa: mais uma curva do rio,
mais riso e mais pranto.
Quando calculei que estava tudo pago,
anunciaram-se novas dívidas e juros,
o amor e o desafio.
Quando achei que estava serena,
os caminhos se espalmaram
como dedos de espanto em cortinas aflitas.
E eu espio,
ainda que o olhar seja grande
e a fresta pequena.

(Lya Luft)

16 setembro, 2009










Simone Lucie-Ernestine-Marie-Bertrand de Beauvoir nasceu em Paris, em 1908. Escritora e feminista foi uma das vozes mais atuantes e autorizadas no século 20, quase um emblema. Casada com o filósofo Jean-Paul Sartre, seu companheiro de toda a vida fez parte de um grupo de filósofos-escritores associados ao existencialismo - movimento que teve enorme influência na cultura européia de meados do século passado, com repercussões no mundo inteiro.



















Em 1949 publicou “O Segundo Sexo”, pioneiro manifesto do feminismo, no qual propôs novas bases para o relacionamento entre mulheres e homens. “Os Mandarins” é de 1954, nesse mesmo ano, Beauvoir ganhou o prêmio Goncourt.

Ela e Sartre visitaram o Brasil entre agosto e novembro de 1960. Sempre tiveram marcada atuação política, manifestando-se contra o governo francês por suas intervenções na Indochina e na Argélia, contra a perseguição dos judeus durante a Segunda Guerra, contra a invasão americana do Vietnã e em muitas outras ocasiões.

Simone de Beauvoir morreu em Paris, em 14 de abril de 1986.
Entre seus muitos livros, vale ressaltar O Sangue dos Outros (1945), Uma Morte Muito Suave (1964) e A Cerimônia do Adeus (memórias da vida com Sartre, 1981).

15 setembro, 2009




















Teu corpo
é linguagem pura
frágil refúgio
da minha loucura
metade prazer
metade tortura

(Lau Siqueira)

12 setembro, 2009

Soneto do amor total






















Amo-te tanto meu amor... não cante
O humano coração com mais verdade...
Amo-te como amigo e como amante
Numa sempre diversa realidade.

Amo-te enfim, de um calmo amor prestante
E te amo além, presente na saudade.
Amo-te, enfim, com grande liberdade
Dentro da eternidade e a cada instante.

Amo-te como um bicho, simplesmente
De um amor sem mistério e sem virtude
Com um desejo maciço e permanente.

E de te amar assim, muito e amiúde
É que um dia em teu corpo de repente
Hei de morrer de amar mais do que pude.


Vinícius de Moraes

10 setembro, 2009














Deixa-me ser a tua amiga, Amor,
A tua amiga só, já que não queres
Que pelo teu amor seja a melhor
A mais triste de todas as mulheres.

Que só, de ti, me venha magoa e dor
O que me importa a mim? O que quiseres
É sempre um sonho bom! Seja o que for,
Bendito sejas tu por mo dizeres!

Beijá-me as mãos, Amor, devagarinho...
Como se os dois nascêssemos irmãos,
Aves cantando, ao sol, no mesmo ninho...

Beija-mas bem!... Que fantasia louca
Guardar assim, fechados, nestas mãos,
Os beijos que sonhei pra minha boca!...

(Florbela Espanca)

08 setembro, 2009

Modinha





















Olho a rosa na janela,
Sonho um sonho pequenino
Se eu pudesse ser menino
Eu roubava essa rosa
E ofertava, todo prosa
À primeira namorada
E nesse pouco ou quase nada
Eu dizia o meu amor

Olho o sol findando lento
Sonho um sonho de adulto
Minha voz na voz do vento
Indo em busca do teu vulto
E o meu verso em pedaços
Só querendo o teu perdão
Eu me perco nos teus passos
e me encontro na canção...

(Sérgio Bittencourt)

07 setembro, 2009

"Portugal Pequeno" (Niterói)


























A Ponta d’Areia é um bairro tranquilo, colorido e interessante de Niterói, também conhecido como “Portugal Pequeno”. Fica perto do centro da cidade, foi ocupado por migrantes portugueses e é caracterizado por ser um local onde existem muitas embarcações de pesca, que dali partem para alto mar.
A presença de estaleiros é uma constante na Ponte D’Areia, lá se encontram em atividade os estaleiros Mauá, Mac-Laren e Cruzeiro do Sul (este pertencente ao Governo do Estado - responsável pela manutenção das barcas que interligam Niterói ao Rio de Janeiro).
O comércio é especializado em produtos náuticos e oficinas afins, mas também merece destaque o “Mercado São Pedro”, especializado na comercialização de peixes e crustáceos que atrai clientes até de municípios vizinhos.


05 setembro, 2009

Algumas lições que a vida ensina



















01. A vida não é justa, mas ainda é boa.
02. A vida é muito curta para perdermos tempo.
03. Mantenha contato com seus amigos.
04. Chore com alguém. É mais curador do que chorar sozinho.
05. Está tudo bem em ficar bravo com Deus. Ele aguenta.
06. Quando se trata de chocolate, resistência é em vão...
07. Sele a paz com seu passado para que ele não estrague seu presente.
08. Não compare sua vida com a dos outros. Você não tem ideia do que se trata a jornada deles.
09. Se um relacionamento tem que ser um segredo, você não deveria estar nele.
10. Tudo pode mudar num piscar de olhos; mas não se preocupe, Deus nunca pisca.
11. Se desfaça de tudo que não é útil, bonito e prazeiroso.
12. O que não te mata, realmente te torna mais forte.
13. Nunca é tarde demais, para ser feliz só depende de você e mais ninguém.
14. Quando se trata de ir atrás do que você ama na vida, não aceite não como resposta.
15. Viva hoje. Hoje é especial.
16. Seja excêntrico agora, não espere ficar velho para usar roxo.
17. Ninguém é responsável pela sua felicidade além de você.
18. Encare cada "chamado desastre" com essas palavras: Em cinco anos, vai importar?
19. Sempre escolha a vida.
20. O que outras pessoas pensam de você não é da sua conta.
21. O tempo cura quase tudo. Dê tempo.
22. Indepedentemente se a situação é boa ou ruim, irá mudar.
23. Não se leve tão à sério. Ninguém mais leva...
24. Acredite em milagres. Eles acontecem.
25. Deus te ama por causa de quem Deus é, não pelo o que você fez ou deixou de fazer.
26. Não faça auditoria de sua vida. Apareça e faça o melhor dela AGORA!
27. Vá para a rua todo dia. Milagres estão esperando em todos os lugares
28. O melhor está por vir.
29. Não importa como você se sinta, levante, se vista e apareça.
30. A vida não vem embrulhada em um laço, mas ainda é um presente!!!


(Recebi por mail - AD)


04 setembro, 2009






















"Eu tenho uma espécie de dever, de dever de sonhar, de sonhar sempre, pois sendo mais do que uma espectadora de mim mesma, eu tenho que ter o melhor espectáculo que posso. E assim me construo a ouro e sedas, em salas supostas, invento palco, cenário para viver o meu sonho entre luzes brandas e músicas invisíveis."


(Do livro do "Desassossego" de Fernando Pessoa)


03 setembro, 2009

02 setembro, 2009
















Talvez seja tão simples, tolo e natural que você nunca tenha parado para pensar: aprenda a fazer bonito o seu amor. Ou fazer o seu amor ser ou ficar bonito. Aprenda, apenas, a tão difícil arte de amar bonito. Gostar é tão fácil que ninguém aceita aprender.

Tenho visto muito amor por aí, Amores mesmo, bravios, gigantescos, descomunais, profundos, sinceros, cheios de entrega, doação e dádiva,mas esbarram na dificuldade de se tornar bonito. Apenas isso: bonitos,belos ou embelezados, tratados com carinho, cuidado e atenção. Amores levados com arte e ternura de mãos jardineiras.

Aí esses amores que são verdadeiros, eternos e descomunais de repente se percebeu ameaçados apenas e tão somente porque não sabem ser bonitos: cobram; exigem; rotinizam; descuidam; reclamam; deixam de compreender;necessitam mais do que oferecem; precisam mais do que atendem; enchem-se de razões. Sim, de razões. Ter razão é o maior perigo no amor.
Quem tem razão sempre se sente no direito (e o tem) de reinvindicar, de exigir justiça, equidade, equiparação, sem atinar que o que está sem razão talvez passe por um momento de sua vida no qual não possa ter razão. Nem queira. Ter razão é um perigo: em geral enfeia o amor, pois é invocado com justiça mas na hora errada. Amar bonito é saber a hora de ter razão.

Ponha a mão na consciência. Você tem certeza que está fazendo o seu amor bonito?
De que está tirando do gesto, da ação, da reação, do olhar, da saudade, da alegria do encontro, da dor do desencontro, a maior beleza possível? Talvez não. Cheio ou cheia de razões, você espera do amor apenas aquilo que é exigido por suas partes necessitadas, quando talvez dele devesse pouco esperar, para valorizar melhor tudo de bom que de vez em quando ele pode trazer.
Quem espera mais do que isso sofre, e sofrendo deixa de amar bonito. Sofrendo, deixa de ser alegre, igual criança.E sem soltar a criança, nenhum amor é bonito.

Não tema o romantismo. Derrube as cercas da opinião alheia. Faça coroas de margaridas e enfeite a cabeça de quem você ama. Saia cantando e olhe alegre.
Recomendam-se: encabulamentos; ser pego em flagrante gostando; não se cansar de olhar, e olhar; não atrapalhar a convivência com teorizações; adiar sempre, se possível com beijos, “aquela conversa importante que precisamos ter”, arquivar se possível, as reclamações pela pouca atenção recebida. Para quem ama toda atenção é sempre pouca. Quem ama feio não sabe que pouca atenção pode ser toda atenção possível.Quem ama bonito não gasta o tempo dessa atenção cobrando a que deixou de ter.

Não teorize sobre o amor (deixe isso para nós, pobres escritores que vemos a vida como criança de nariz encostado na vitrine, cheia de brinquedos dos nossos sonhos):não teorize sobre o amor, ame. Siga o destino dos sentimentos aqui e agora.

Não tenha mêdo exatamente de tudo o que você teme, como: a sinceridade; não dar certo; depois vir a sofrer (sofrerá de qualquer jeito); abrir o coração; contar a verdade do tamanho do amor que sente.
Jogue pro alto todas as jogadas, estratagemas, golpes, espertezas, atitudes sabidamente eficazes (não é sábio ser sabido): seja apenas você no auge de sua emoção e carência, exatamente aquele você que a vida impede de ser. Seja você cantando desafinado, mas todas as manhãs. Falando besteiras, mas criando sempre. Gaguejando flores.

Sentindo o coração bater como no tempo do Natal infantil. Revivendo os carinhos que instruiu em criança. Sem mêdo de dizer, eu quero, eu gosto, eu estou com vontade.

Talvez aí você consiga fazer o seu amor bonito, ou fazer bonito o seu amor,ou bonitar fazendo seu amor, ou amar fazendo o seu amor bonito(a ordem das frases não altera o produto), sempre que ele seja a mais verdadeira expressão de tudo o que você é e nunca, deixaram, conseguiu, soube, pôde, foi possível, ser.

Se o amor existe, seu conteúdo já é manifesto. Não se preocupe mais com ele e suas definições. Cuide agora da forma. Cuide da voz. Cuide da fala. Cuide do cuidado. Cuide do carinho. Cuide de você. Ame-se o suficiente para ser capaz de gostar do amor e só assim poder começar a tentar fazer o outro feliz.

(Artur da Távola)