07 setembro, 2007

Frida Kahlo

Magdalena Carmen Frida Kahlo y Calderon, considerada a mais importante pintora mexicana, começou a pintar olhando-se num espelho que a mãe pendurou por cima da sua cama. Muitas das suas pinturas são auto-retratos: "Eu pinto-me a mim própria porque estou muitas vezes sozinha e porque sou o assunto que conheço melhor".
Nasceu em 6 de julho de 1907, em Coyoacan no México. Militante comunista e agitadora cultural, tem uma vasta produção artística e teve uma biografia singular marcada por grandes tragédias. Quando ainda pequena, aos 6 anos de idade, contraiu poliomielite, o que a fez usar saias longas como as das indígenas mexicanas para encobrir as marcas da doença. Aos 18 anos sofreu um grave acidente de bonde, teve fraturas múltiplas e foi submetida a 35 cirurgias, ficando impossibilitada de ter filhos. Casou-se com Diego Rivera, o pintor mexicano mais importante do século XX . Socialista e 21 anos mais velho que ela, formavam o casal de artistas mais famosos e originais da época. Com um casamento conturbado pelas numerosas traições do marido, Frida também teve seus romances extraconjugais, entre eles, León Trotski, mas Diego foi sua grande obsessão.
Seus quadros são fortes nos traços e nas cores e refletem os momentos tumultuados de dor e paixão que viveu: "Pensaram que eu era surrealista, mas nunca fui. Nunca pintei sonhos, só pintei minha própria realidade".
Em 1954, Frida Kahlo foi encontrada morta. A última anotação em seu diário permite pensar na hipótese de suicídio: “Espero alegre a minha partida - e espero não retornar nunca mais.”
Regina Fernandes

Um comentário:

Daniel disse...

Olá Regina. Tenha uma ótima semana. Que belo e ao mesmo tempo intrigante é o trabalho de Frida Kahlo! Ela foi uma mulher que sofreu muito na vida, mas encontrou na arte seu descarrego sentimental, pintando obras memoráveis com traços e cores super originais. Também aprecio e gosto muito do seu trabalho.
Abraço!!