23 junho, 2007

Conversa fiada...



Há poucos dias meu filho passou na minha casa depois do trabalho. De terno, bonito, cheiroso e feliz. Olhei-o bem e percebi que o meu menino cresceu, está “um homem feito”, como dizia minha avó! E com isso fiquei pensando na vida, no tempo que passou. A vida como eu conhecia acabou. Gastou. O filho criado, o marido que se foi, entes queridos que também se foram. Agora sobra-me tempo. E o que fazer desse tempo faltoso, dessa lacuna doída, desse gosto de “quero mais”? Descobri que a resposta está na pergunta. O que fazer? Quero mais, quero tudo que tenho direito!
Agora que me sobra tempo para as coisas que gosto de fazer o que mais quero é viver! Acho que estou só começando, ou, querendo começar tudo de novo! O tempo é a maior riqueza que o ser humano tem. Mas não quero nada de recuperar o tempo perdido, não quero mudar meu estilo, nem fazer cirurgia plástica, não quero freqüentar lugares como academias, discotecas, ou coisas afins. Quero administrar minha vida com calma, com qualidade, com alegria, e tirar um bom proveito da maturidade. Não aceito o estereótipo da meia idade. Não quero ser posta de lado por estar próxima da velhice, ser descartada no mercado de trabalho ou da vida amorosa. Envelhecer é um processo natural e não precisa ser doloroso. Também não quero entrar no jogo moderno de empurrar a velhice para frente, me tornar ridícula com roupas que não são a minha cara, cirurgias, maquilagem que não fazem sentido para uma mulher inteligente e sensível. Quero envelhecer em paz, sem cair nessas armadilhas da indústria do rejuvenescimento que estão por aí, prendendo as mulheres numa redoma de silicone e botox. A verdadeira maturidade traz para a mulher mais sabedoria, mais solidariedade, mais generosidade. Esse momento da vida pode ser assustador, mas pode ser usado para ótimas transformações pessoais, como mudar o corte de cabelo, modificar o guarda-roupa, viajar, passar mais tempo com os amigos, escrever um livro, fazer um curso que interesse. A lista de alternativas é extensa e reflete a diversidade de desafios assumidos pelas mulheres que optam pela felicidade. Dizem que a mulher madura é “um fruto amadurecido graças à magia da seiva e à alquimia do tempo. Seu estado de espírito revela equilíbrio e harmonia como em nenhuma outra fase da sua vida. Nada é promessa, tudo é realização”. Portanto resta-me agora com todo charme, elegância e equilíbrio, sem desvarios ou arrependimentos, me orgulhar dos anos vividos, de ser esse fruto maduro e viver intensamente a minha época da boa safra!

Regina Fernandes

6 comentários:

Lia disse...

Amiga Regina,
Você foi muito iluminada ao escrever esse texto.
Quanta verdade...quanta sensibilidade.
Caiu-me feito uma luva, pois penso da mesma forma.
Pra que cobrir rugas se cada uma delas representam cada tristeza,cada emoção,cada preocupação vivida por nós.....
O gostoso da vida é envelhecer com dignidade e elegância,de que adianta esticar aqui ou acolá se a essência é a mesma.
Bom mesmo é aproveitar cada minuto pois já fizemos a nossa parte como mãe,filha,irmã,esposa, agora é viver os dias sem correria e ter alegria e serenidade para fazermos com o nosso tempo o que é o melhor para nós.
E o melhor é ser FELIZ !!!!
Beijocas da Lia

Baú da Silzinha disse...

Amiga Regina que texto verdadeiro. Estou nessa também. Já fomos muitas coisas e podemos ser muito mais ainda. Com serenidade, equilíbrio e um pouco mais de paz de espírito. Os arroubos já dão lugar à serenidade não é mesmo? E vamos nós levando a vida da melhor forma que podemos e queremos. Como tu, também não sou adepta da massificação da beleza esteriotipada em "bonecas plásticas" onde a expressão do rosto diluiu-se em cirurgias e levou até a expressão do olhar.
Parabéns para clareza e a felicidade com as palavras.
Beijo grande

Regina Fernandes disse...

Lia e Sil, amigas sempre presente. Obrigada queridas.
Beijos

togali disse...

Xará que belo texto, tão verdadeiro!

Ainda tenho 2 filhos em casa, mas já sinto quase isto, esta sensação de missão cumprida, rsrs.

Me atrevo e vivo sempre aprendendo algo novo, viajando com meu bem, tão parte da minha própria vida.

Este seu modo de ver e viver a vida é tudo de bom.

beijos querida amiga.
Regina

flavia disse...

Show de Bola!!!
Ai que delícia ter uma irmã que escreve tudo o que a gente pensa!!!
E escreve bem, hein!
Te amo muito minha querida irmâ poetisa!!!

beijos
beijos
beijos

Anônimo disse...

Oi Regina!
Que sabedoria!
Adorei este seu texto! Perfeito! Felicidade é tudo que almejamos, hoje e sempre!
Mil beijos
MSilvia