10 dezembro, 2009

A Orígem das Rabanadas




Contam que a rabanada é de orígem portuguesa e que ela surgiu porque as pessoas aproveitavam os restos de pão duro que a maioria das pessoas jogava fora.

Em Portugal este doce é conhecido como “fatia de mulher parida”. Diz a lenda, que a mulher rica que acabava de ganhar neném era alimentada com o pedaço do que chamamos de rabanada para aumentar o leite da gestante. Esse nome também é conhecido no nordeste do Brasil pelo mesmo motivo, mas como “fatia parida”. Além de serem também chamadas de “fatias douradas”, na França a delícia é chamada de “Pain perdu”.

Aqui no Brasil o costume de comer rabanadas incorporou-se de tal forma à ceia natalina que muitas pessoas dizem que, “Natal sem rabanadas não é Natal”.

É possível encontrá-las à venda nessa época em vários lugares, mas prepará-las em casa não é difícil. Basicamente os ingredientes são o pão de ontem, propriamente dito (de preferência bengalas ou baguetes, cortadas em fatias de 2cm), leite, ovos, açúcar e canela.

Existem várias outras receitas, mais sofisticadas, que incluem vinho do Porto, leite condensado, mel, e o que a imaginação permitir.

3 comentários:

Victor Gil disse...

Olá querida amiga Regina.
Então por andam os versos? Ve lá se apareces com alguma coisa. Quanto às Rabanadas, aprendi hoje contigo a sua origem. "Em casa de ferreiro, espeto de pau", e é verdade, tendo elas origem por aqui, eu desconhecer essa origem... sem palavras.
Um beijo
Victor Gil

Jussara Gehrke disse...

ai que vontade que deu!

pois eu faço muito rabanada, em qualquer época do ano, no café da manhã é uma delicia, para aproveitar o pão velho.

no Natal minha familia não tem a tradição de rabanadas, mas me lembro de minha avó fazer na manhã de Natal com panetone e vinho do porto, e o panetone ela fazia também.

hummmm... doces lembranças...

bjs
Ju

Merciasz disse...

Régis...rabanada é muito bom né? Lembra nossa infância.