18 fevereiro, 2010




Todos os jardins deviam ser fechados,
com altos muros de um cinza muito pálido
onde uma fonte
pudesse cantar
sozinha
entre o vermelho dos cravos.
O que mata um jardim não é mesmo
alguma ausência
nem o abandono...
O que mata um jardim é esse olhar vazio
de quem por eles passa indiferente.

(Mário Quintana)

3 comentários:

Jussara Gehrke disse...

não sou indiferente aos jardins, assim como sei que vc não é e muitas outras pessoas, o jardim tem que estar em todos os lugares para estimular os olhares!

beijo
Ju

Tais Luso disse...

Oi, Regina, adoro tudo de Mário Quintana, mas ele tem algumas coisas... Tudo o que escreve é tão diferente que jamais me deixaria indiferente!

Teu blog está lindo.

meu carinho
tais luso

Elias Akhenaton disse...

Olá Regina!
Boa tarde!

Passei por aqui e simplesmente adorei o teu blog, tudo projetado com sensibilidade e encanto!
Adoro Mário Quintana e também gosto de me inspirar n'alguns jardins e suas rosas, principalmente as rubras, mas creio que o melhor e mais bonito jardim é aquele que habita em nossa Alma.

Saudações poéticas!

Estou te seguindo!