05 novembro, 2011

Toxicomania: Uma articulação com o Princípio de Prazer

 
Desde os tempos mais antigos o homem, nessa misteriosa complexidade do ser falante, tem feito de tudo para lidar com suas inquietantes questões e conseguir jogar o ilusório jogo da vida. Freud, em seu texto “O Mal-Estar na Cultura”, nos aponta para tais reflexões ao enfatizar o impossível a ser suportado da civilização. Diz ele:
"A vida, tal como a encontramos, é árdua demais para nós; proporciona-nos muitos sofrimentos, decepções e tarefas impossíveis. A fim de suportá-la, não podemos dispensar as medidas paliativas. (...) Existem talvez três medidas desse tipo: derivativos poderosos, que nos fazem extrair luz de nossa desgraça (Atividades Científicas): satisfações substitutivas, que a diminuem (Artes); e substâncias tóxicas, que nos tornam insensíveis a ela".

O mal-estar é inerente ao homem, portanto substituir o desprazer, oriundo tanto do mundo externo como de nossos relacionamentos com os outros, seria para Freud um motivo de se buscar os efeitos mágicos e paradisíacos das drogas. A droga, ao alterar no ser falante sua identidade tanto corporal como psíquica, e conseqüentemente sua percepção do mundo, substitui o sentimento de fragilidade pela ilusão da superação da angústia e dos sofrimentos psíquicos.
Uma questão fica evidente: o que leva uma pessoa a se alienar em uma conduta onde se torna “objeto do objeto”, na qual existe uma compulsão irrefreável e incessante de voltar sempre à droga? O que se passa com o sujeito que não pode mais parar?
Na toxicomania, o sujeito elege a droga como objeto ideal, isto é, como objeto causa de desejo, o que está em questão é o próprio desejo. Desta forma, ele é regido pela pulsão de morte, é desimplicado da fala do outro, se manifesta através da passagem ao ato, é um sujeito assintomático. Nele estão presentes a passividade, alienação, e a submissão e, portanto, a independência para com os demais objetos da vida. O que o sujeito busca na droga é o gozo imediato no corpo, ela se apresenta para ele pela via do abuso numa tentativa de amortecer o mal-estar e a angústia.
O consumo compulsivo de drogas deve ser vinculado à organização narcisista dos sujeitos, e a psicanálise vem discutir o vínculo primitivo e seus caminhos. Nesse viés, a toxicomania é entendida como expressão da tentativa incessante feita pelo sujeito para recriar a fantasia de onipotência que caracteriza o eu-ideal. Os fracassos do processo de socialização, abordados no contexto da problemática da castração, são apresentados como responsáveis pela situação de impossibilidade em que se encontra o sujeito de sair de seu encerramento narcísico, sendo esse fracasso responsável ainda pela angustia por ele experimentada face à fantasia de ameaça de castração.
Baseados nesse contexto podemos perceber o dependente químico padecendo do fracasso da metáfora paterna, (Nome do Pai), sofrendo as conseqüências de algo dessa lei que se mostra inominável. A passagem ao ato é a “linguagem” por excelência dessa falta de articulação significante, e ele se encontra então numa posição de total submissão ao gozo do Outro, ao Real do gozo pulsional.
Pela via da psicanálise, pensar a questão da dependência química é privilegiar o lugar que o objeto ocupa na estrutura do sujeito. È se dar conta da necessidade de um olhar atento para a economia dos investimentos, pois todo o funcionamento do aparelho psíquico é descrito nestes termos (principio econômico). É então, somente a partir dessa articulação sujeito-objeto que se pode interrogar o que se passa pelo viés da dependência.
Logo, podemos inferir que o princípio de prazer não é sozinho o grande responsável por essa problemática. Por mais que se recorra às drogas com a intenção de evitar o desprazer originário, de obter prazer devido ao funcionamento do processo primário do aparelho psíquico, através da alucinação do desejo, o que está em jogo é também o "princípio econômico", especificamente no que diz respeito à sua força motriz, a energia pulsional. É designando a droga como único objeto de investimento pulsional, ou seja, ao investi-la de uma roupagem de objeto ideal, que o toxicômano se encontra totalmente identificado, colado a ela.
Não poderíamos finalizar esse tema, sem apontar a difusão maciça do consumo de drogas nas sociedades pós-moderna, que se transformou numa grave questão social. A toxicomania não é apenas um sintoma individual dos sujeitos, mas também um mal social. Ela é uma parceira única do discurso capitalista que rege a sociedade nos dias de hoje, pois é um fenômeno social ligado à “sociedade espetáculo” que produz os ideais de uma cultura narcísica, que forma subjetividades globais, homogeneizando as diferenças. A toxicomania não pode ser pensada sem o laço social, sem uma comunhão com a cultura. Torna-se assim necessário, nesta questão, interrogar-nos também sobre as características fundamentais da civilização moderna e do paradigma que sustenta a sua construção.


(Regina Fernandes)

2 comentários:

Flavia disse...

Brilhante!!!
Amo te ler!!!
Milhões de beijos,
flavinha

dilita disse...

Olá Regina!

Li sem pressa, e fiquei a conhecer mais.
Beijinho.